[email protected] | (62) 3624.2568

Acupuntura para tratamento da endometriose

Acupuntura para tratamento da endometriose

A endometriose é uma doença que afeta grande parte da população feminina mundial e amedronta mulheres que desejam ter filhos, já que ela pode provocar infertilidade. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 180 milhões de mulheres no mundo enfrentam a doença.

No Brasil, uma em cada dez mulheres em idade reprodutiva tem endometriose. O que muitas mulheres desconhecem é que a acupuntura, considerada como terapia integrativa ou complementar, também atua no tratamento da endometriose.

Também chamada de a “doença da mulher moderna”, a endometriose caracteriza-se pela presença de células do endométrio (camada que reveste o útero internamente), em outros lugares e órgãos do corpo, como ovários, intestino ou bexiga. Como consequência da doença, a mulher pode vir a ter infertilidade. Isso ocorre devido ao processo inflamatório progressivo causado por ela, que pode comprometer o funcionamento de órgãos e tecidos envolvidos.

Tratamento da endometriose com acupuntura

O Sensei Valério Lima, especialista em terapias japonesas, da Kangendô, ressalta que muitos ginecologistas têm recomendado a acupuntura como terapia complementar, no tratamento da endometriose. “A medicina oriental oferece resultados excelentes para tratar a doença da mulher moderna, especialmente por meio da acupuntura japonesa”, aponta.

Ele explica que no tratamento por meio da medicina oriental, inicialmente são buscadas as causas, a origem do distúrbio ou do desequilíbrio que a mulher estiver apresentando. “Inicialmente, conversamos com a paciente e realizamos a avaliação. Para isso, utilizamos a pulsologia das seis posições e a palpação, principalmente na área do hara (abdômen). Em seguida, buscamos identificar quais as funções energéticas estão envolvidas, para posteriormente iniciar a aplicação das agulhas de forma indolor”, esclarece.

O especialista reforça que a endometriose tem relação com a estagnação e êxtase sanguínea, devido à preparação do útero para a mulher poder engravidar. Por isso, a doença pode surgir quando a mulher iniciar a sua fertilidade e, quanto antes for diagnosticada, melhores os resultados.

Na visão da medicina oriental, os distúrbios que ocorrem ligados a algumas funções e órgãos, tem relação direta com os rins, fígado e baço, no corpo da mulher. Valério ressalta que são órgãos que desempenham funções na fecundação e parte hormonal feminina. “Com a acupuntura, tratamos de equilibrar o fluxo adequado da energia vital nessas funções e nesses órgãos. Na Kangendô, também utilizamos outras técnicas, como as ventosas, que também podem ajudar a liberar o sangue que fica estagnado no corpo e na área do baixo ventre”.

O Sensei enfatiza que nos atendimentos com as técnicas da medicina oriental há sempre a busca pela causa do problema. “Quando se equilibra e trata a causa, é possível minimizar os sintomas relatados pela paciente e oferecer os estímulos necessários para que o próprio corpo possa encontrar o seu equilíbrio. Tenho inúmeras pacientes que trataram a endometriose com a acupuntura japonesa e tiveram excelentes resultados”, conclui

Paciente tratada com acupuntura relata melhora significativa na endometriose

Nathalie de Lourdes Souza Dewulf, professora universitária, foi diagnosticada com endometriose em 2014 e procurou tratamento com a acupuntura em 2017. Ela foi paciente da Kangendô, atendida pelo Sensei Valério, na TBK (Terapia Biointegrativa Kangendô). Natalie relata que o tratamento com a acupuntura japonesa ajudou bastante.

Conforme a paciente, em outubro de 2014, quando ela estava com 36 anos, foi diagnosticada com endometriose pélvica severa. Em fevereiro de 2016, havia focos de permeação na parede do retossigmoide, envolvendo cerca de 24% da circunferência intestinal. Um ano após, em fevereiro de 2017, havia aumentado para cerca de 28% da circunferência.

Após o segundo exame, em 2017, ela iniciou o tratamento com o Sensei Valério Lima, na Kangendô, com uma sessão de TBK por semana, onde foi utilizada principalmente a acupuntura, mas também a técnica do Mubun Dashin, entre outras. Em março de 2018, na ressonância magnética, o laudo apresentou que “em relação ao exame de 2016, a lesão retrocervical apresentava-se mais tênue”. Ou seja, houve uma diminuição com relação ao resultado obtido antes do início do tratamento. 

“Minha endometriose é atípica. Pois não tenho as cólicas características da doença. Tenho uma grande adesão entre os órgãos, que já estava acometendo meu intestino. O tratamento com a acupuntura ajudou muito. Também faço tratamento hormonal, desde o momento do diagnóstico, para a endometriose”.

A paciente conta em que em 2018, em um dos momentos de reavaliação da doença, sua ginecologista se impressionou com os resultados.

“Minha ginecologista ficou espantada com os resultados. Porque a acupuntura, além de ter me proporcionado bem-estar, contribuiu também para que eu não tivesse nenhuma reação adversa aos hormônios. Os exames laboratoriais estavam todos normais. Senti que ajudou bastante e indico o tratamento complementar com a acupuntura”.

Leia também:

Kangendô realiza atendimento terapêutico de segunda a sexta-feira

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1
Olá! Gostaria de saber mais a respeito dos atendimentos da Kangendô.
Powered by